Dom. Jul 21st, 2019

A história da Battle Royale: Do mod ao fenómeno mundial

0

No Player Unknown´ Battlegrounds e no Fortnite , 100 pessoas vão para uma ilha para procurar armas e equipamentos. Esses elementos definem o género battle royale juntamente com outro obejtivo – a último a sobreviver vence.

O Battle Royale passou de um mod obscuro para um fenómeno mainstream em menos de dois anos. A grande popularidade de PlayerUnknown´Battlegrounds  transformou o género em grande notícia durante o ano de 2017, pois vendeu mais de 50 milhões de cópias combinadas na Xbox e no PC até junho de 2018. O PUBG Mobile, que é gratuito, apresentou números ainda mais impressionantes, elevando o total de jogadores nas várias plataformas para mais de 400 milhões.

Enquanto isso, o free-to-play da Epic Games, Fortnite Battle Royale, conquistou uma audiência ainda maior. Fortnite atingiu um número recorde de jogadores simultâneos em fevereiro (quebrando um recorde estabelecido pelo PUBG), e quebrou o recorde de audiência simultânea no Twitch em março.

Mesmo sem estabelecer recordes, outros jogos vêm fazendo ondas. O H1Z1, um título de Battle Royale que antecede tanto o PUBG como o Fortnite, anunciou recentemente o fim da sua longa temporada na secção de acesso antecipado da Steam. O desenvolvedor Daybreak Studios lançou uma versão completa com novos conteúdos e um modelo de negócios free-to-play, bem como parcerias anunciadas com o Facebook e a Caesars Entertainment em Las Vegas para desenvolver ainda mais o jogo como um esport.




Simon Darveau, diretor criativo do recém-lançado jogo de battle royale The Darwin Project, disse que as histórias de sucesso de Fortnite e do PUBG vão atrair muitos, muitos mais imitadores. Além da louca popularidade do PUBG e do Fortnite, Darveau disse que o Battle Royale provavelmente vai atrair mais desenvolvedores, porque não é preciso muito para criar ou adaptar um projeto existente em algo que você possa imaginar como um jogo de batalha real. O conjunto de regras da assinatura de último jogador é uma coisa fácil de adicionar a qualquer jogo. Outros elementos como mapas abertos e exploráveis e spawns de armas aleatórias não são difíceis de desenvolver.

“Cada PI (propriedade intelectual) que conhecas que inclua jogabilidade competitiva pode ter battle royale”, disse Darveau. “E porque eles podem fazer, eles vão fazê-lo. E porque como todos irão fazê-lo, o género ficará saturado e será percebido como uma bolha. ”

Para muitos dos desenvolvedores que já lançaram os jogos Battle Royale, os últimos jogos que se aguentarem serão aqueles que vão além da popularidade do género e vão além da indústria de videojogos.

UMA BREVE HISTÓRIA DO BATTLE ROYALE

O formato Battle Royale não apareceu de um dia para o outro em PUBG e Fortnite. O género tal como o conhecemos nasceu em grande parte de mods multiplayer em jogos de sobrevivência em mundo aberto. Ele rapidamente se tornou num tipo de jogo famoso entre os jogadores de PC que atingiu o seu auge apenas alguns anos atrás. Jogos como DayZ, H1Z1 e Rust deixam os jogadores  num território hostil infestado de inimigos como zombies e outros jogadores, forçando-os a confiar na sua inteligência para encontrar ou fazer os itens que precisam para se manter vivos nesses jogos.

Muito da sensação do battle royale emana dos jogos que hospedaram as primeiras iterações do género. Quando dois jogadores se enfrentam nesses jogos, nunca fica claro o que pode acontecer. Um jogador pode matar o outro e roubar suas coisas ou duas pessoas podem se juntar e se tornarem amigas. Há também a possibilidade de eles chegarem a um acordo amigável, somente para um jogador trair o outro mais tarde.




“No DayZ, percebi pela primeira vez que poderiamos ter experiências sociais com um forte elemento de psicologia social”, disse Darveau. “Você poderia ser psicologicamente abusado num jogo. … E eu sinto que essas são as experiências mais poderosas, e tipo que acionaram no meu cérebro, “Que porra, por é que os jogos são apenas sobre habilidades físicas e mecânicas, como destreza, reflexos, timing e precisão?”

Nós pensamos em battle royale principalmente como um tipo de shooter, mas o primeiro desses mods foi feito para o Minecraft. A Survival Games, uma versão competitiva do jogo inspirada nos filmes de Hunger Games, ganhou popularidade e essa comunidade espalhou a ideia para outras pessoas.

“Fortnite”

As interações sociais entre os jogadores nos jogos de sobrevivência inspiraram os modders a criar novos cenários mais competitivos para juntar os jogadores. Brendan Greene, criador do Battlegrounds PlayerUnknown, criou mods semelhantes para jogos como DayZ e Arma III.

“Eu adorei as interações que tivemos”, disse Greene. “Você se depararia com outro grupo ou clã como se fosse uma cidade, e haveria uma interação com eles, seja boa ou má. E adorei essa ideia de que você não está lidando com A.I. (inteligência artificial), você não está lidando com uma mecânica previsível, você está lidando com outras pessoas. E isso é muito divertido, porque há algumas pessoas malucas e estranhas por aí. ”




Os mods de Greene ajudaram a cristalizar muitos aspectos do Battle Royale como um tipo de jogo, incluindo o nome. Ele nomeou seus mods shooter de sobrevivência depois de Battle Royale, o filme clássico de culto japonês, onde um grupo de estudantes do ensino médio é forçado a lutar até a morte até que apenas um sobreviva.

Greene também criou um mod oficial para o jogo de sobrevivência zombie H1Z1, e sua popularidade levou o desenvolvedor Daybreak a criar o seu próprio modo battle royale para o jogo. Em pouco tempo, H1Z1 estava a transformar o seu modo de sobrevivência zombie num outro jogo e totalmente focado na battle royale, tornando-se o primeiro jogo do género tal como o conhecemos.

“PUBG”

Enquanto isso, Greene partiu para criar seu próprio título de Battle Royale, Battlegrounds PlayerUnknown, no início de 2017. A Epic Games seguiu a PUBG no final do ano com Fortnite: Battle Royale, um modo competitivo free-to-play construído para complementar o seu modo cooperativo zombie  jogo de sobrevivência. Com o tempo, Fortnite encontrou imensos seguidores. Isso se deve em grande parte ao seu modelo free-to-play, mas também devido á sua forma sui generis de abordar o género. Usando a mecânica criada para o modo original de Fortnite, agora conhecido como Fortnite: Save the World, o Battle Royale de Fortnite adiciona recursos de construção semelhantes aos do Minecraft que os jogadores podem usar para construir suas próprias fortificações.

LIBERDADE ATRAVÉS DA CONCORRÊNCIA

O que torna o estilo Battle Royale atraente para tantos jogadores? Para Greene e Darveau, a extensão do género para para a liberdade dos jogos de  sobrevivência, combinados com estrutura suficiente para impulsionar as partidas, criaram uma experiência que os jogadores não encontravam em jogos de tiro existentes ou em jogos de sobrevivência de nicho.

“Eu acho, você sabe, especialmente com campos de batalha, não há maneira certa de jogar”, disse Greene. “No entanto, a forma como queres jogar cabe-te apenas a ti saber. É um desafio, sabes – é contra outras pessoas. Não é algo que possas prever, é contra outra pessoa e acho que esse é o melhor tipo de interação. ”

“Radical Heights”

Anthony Castoro, gerente geral da H1Z1, disse que as apostas da Battle Royale também ajudam a diferenciá-la de outros gêneros de jogos competitivos. Ao contrário da maioria dos jogos FPS, em que os jogadores podem morrer e voltar a entrar no jogo quase imediatamente, os jogos Battle Royale incentivam a sobrevivência.

“Essa ideia de morte permanente dá-nos a sensação de alto risco sem o tipo de investimento de longo prazo”.

Quanto mais tempo permaneceres vivo, mais poderoso te tornas e mais investes no jogo.

“Já há muito tempo, que existe esse fascínio, especialmente com jogadores do mais core, pelo efeito morte permanente”, disse ele, referindo-se à ideia de que os jogadores ganham apenas uma vida nos jogos e, quando morrem, perdem todo o progresso. “E na maior parte do tempo, como um designer de jogos convencional, eu meio que resisti a essa ideia porque a quantidade de investimento que fazemos na nossa personagem e o tempo que gastamos, essa morte seria uma espécie de evento de desistir. Mas eu acho que o que a battle royale faz é porque é baseado em sessão, esta ideia de morte permanente dá a sensação de que não tem o tipo de investimento a longo prazo. … E, mesmo quando perdes, é tipo “vou tentar outra vez” ou “vou quebrar meu teclado”, mas isso faz com que haja muita paixão envolvida. ”

“Call of Duty: Black ops 4”
O EFEITO DO GLADIADOR
Os jogos Battle Royale tiram vantagem de outra grande tendência nos jogos, que é a ascensão do streaming online e da audiência dos jogos. Jogos Battle Royale são eminentemente assistíveis, já que o ritmo de uma batalha real não é apenas uma enxurrada de ação constante. Os jogadores interagem uns com os outros com relativa frequência, elevando os níveis de tensão à medida que vão recolhendo equipamentos, apenas para ouvir ou ver alguém próximo ou ser completamente emboscado por outro jogador que eles não sabiam que estava presente.
Darveau também notou que o estilo de eliminação dos jogos de batalha real espelha uma outra forma popular na média: reality shows na TV.
“Toda vez que você pressiona o jogo, há uma nova experiência em espera”, disse Eric Williamson, chefe de design da Fortnite, à Digital Trends por e-mail. “E mesmo que a única maneira de vencer seja a último a ficar de pé, não se trata apenas de ganhar. É sobre todas as coisas divertidas e hilariantes que podem acontecer ao longo do caminho e vivenciar isso com seus amigos. Mas se você conseguir chegar nos últimos minutos, a tensão se tornará tão incrível. Battle Royale oferece uma excelente mistura de altos e baixos. ”



O fato é que o género Battle Royale é emocionante de jogar e interessante de assistir e isso cria uma situação única que está alinhada com as tendências dos jogos como um todo. Streaming se tornou uma parte importante do cenário dos jogos. Em janeiro de 2018, a audiência média do site de streaming Twitch era de quase um milhão de pessoas, e essa é apenas uma opção para assistir a conteúdo de jogos. Outro gigante da média, o YouTube, viu vídeos de jogos como Minecraft e Grand Theft Auto V acumularem dezenas de biliões de visualizações.

Se Darveau estiver certo e o género Battle Royale tiver um prazo e estiver para ser invadido por uma onda de jogos do tipo “eu também” que amortecerão sua popularidade ( algo que aconteceu quase sempre nos jogos, em géneros de jogos de tiro em primeira pessoa da Segunda Guerra Mundial, a MOBAs como Dota 2 e League of Legends, e para os jogos de sobrevivência no mundo aberto), o que acontecerá ao Battle Royale no futuro?

“The Darwin Project”

A resposta é diferente para cada jogo, mas pode ser resumida em uma palavra: Inovação. Muitas das idéias que estão surgindo na batalha real parecem expansões naturais de grandes idéias nos jogos, e elas provavelmente se espalharão pelo resto do espaço.

Já os jogos Battle Royale estão gerando ideias interessantes da afinidade natural do género com a competição e o espectador. Jogos como o Darwin Project e o SOS da Outpost Games colocaram uma reviravolta na ideia da Battle Royale, tornando a visualização numa experiência interativa.

O SOS enfatiza uma performance divertida e faz do streaming parte do gameplay. Usando uma plataforma de tecnologia proprietária que funciona com uma sobreposição do Twitch, o jogo rastreia e retransmite como as pessoas que assistem ao jogo reagem – através do voto com emojis de reação – àqueles que o jogam. Votos do público significam que parte da vitória está sendo divertida. É possível se destacar no jogo apenas por meio da engenharia social e da maneira como os jogadores conversam e interagem uns com os outros.

No The Darwin Project, um jogador pode controlar o Diretor, uma câmera de TV voadora controlada pelo jogador, que pode influenciar a partida ao energizar ou subcotar os jogadores. Ele também pode disponibilizar os poderes do Diretor a todos que assistem ao The Darwin Project no Twitch, permitindo que eles votem em quem é direcionado para que interação e altere o jogo enquanto as pessoas o jogam.

Durante um recente torneio por convite que contou com uma série de streamers de grande nome, Darveau disse que ficou surpreso ao ver como a consciência coletiva do público alterou o jogo – não para fazer seu streamer favorito ganhar todas as vezes como ele esperava, mas para equilibrar o jogo consoante era jogado.




“A ideia de que o mundo do jogo é uma entidade viva que está conectada à consciência coletiva – eu fiquei com a impressão de que estava a assistir a um reality show do futuro”, disse Darveau. “Foi ótimo, Eu tive arrepios.”

Existem muitos outros jogos entrando em campo, e alguns deles são de franquias aclamadas com bases de fãs embutidas. Em outubro de 2018, Call of Duty: Black Ops 4 lançou seu próprio modo de Battle Royale, Blackout. Trazendo a conhecida mecânica de tiro Call of Duty e polindo a fórmula PUBG, ela efetivamente demonstrou algo que os primeiros desenvolvedores do Battle Royale sabem muito bem, que é que a estagnação levará à irrelevância.

“Ainda há muito espaço para melhorar o conceito e encontrar maneiras de capitalizar as ideias.”

O jogo não está disponível em dispositivos móveis, o que dá ao PUBG um nicho contínuo para jogos de Battle Royale orientados pelo realismo, mas o campo está ficando lotado. Em 2019, o Battlefield V apresentará seu próprio modo Battle Royale, Firestorm, trazendo destruição ambiental e combate veicular à fórmula.

Mesmo os jogos que não são explicitamente conhecidos como Shooters estão a “receber dicas” do espaço Battle Royale. A Red Dead Online lançou sua versão beta um mês após o lançamento do Red Dead Redemption 2. Além de modos competitivos e cooperativos mais padronizados, ele também conseguiu infiltrar um modo chamado Make it Count. Não é explicitamente referido como um modo Battle Royale, mas apresenta alguns dos seus mecanismos. Nele, 16 ou 32 jogadores lutam até a morte enquanto um círculo encolhe ao redor da sua posição. Quando novos títulos são anunciados, “terá um modo de Battle Royale?” torna-se uma das perguntas mais comuns, e parece estranho que os jogos não o incluam.

EVOLUIR OU MORRER

Mesmo para os jogos atualmente no auge da popularidade, e especialmente com novas entradas no horizonte prontas para competir, a necessidade de evoluir está sempre presente. Para Greene, 2018 é um ano para continuar a aprimorar e melhorar PlayerUnknown’s Battlegrounds. O recém-lançado Modo de Evento da PUBG permite que sua equipe experimente novas variações no conceito de Battlegrounds e receba feedback sobre eles da comunidade de jogadores. Greene também disse que melhorias em coisas como as animações do jogo vão se vincular para incrementar sua experiência de espectador e cena de eSports – duas áreas que a empresa também está procurando apoiar.

Quando falamos pela primeira vez com Brandon Greene, ele nos disse que um dos momentos que esperava para o jogo era um estádio cheio de fãs assistindo 100 jogadores competindo e ele queria testemunhar o primeiro jogador a sair do centro do palco depois de ser eliminado. Três meses após a data original de publicação deste artigo, Greene conseguiu seu desejo quando a PUBG realizou seu primeiro campeonato mundial, o 201I PGI Global Invitational. PUBG/Twitter (Imagem 0)

“O meu sonho é ter um estádio cheio de pessoas assistindo os jogadores batalharem no centro, e assistir aquela primeira pessoa ter que se levantar e ir embora”, disse Greene. “Esses tipos de eventos são o que eu queria ver, então, quando eu os vir, acho que ficarei feliz que a Battle Royale tenha alcançado o que eu sempre sonhei que poderia ser.”

Castoro vê o futuro da Battle Royale como um aprimoramento contínuo do conceito relativamente jovem. Uma bolha é provavelmente a maneira de pensar sobre isso, disse ele, mas ainda há muito espaço para melhorias no conceito, e em encontrar maneiras de capitalizar as ideias.

Para esse fim, a Daybreak lançou recentemente um novo modo para o H1Z1 chamado Auto-Royale, uma versão do jogo em que as equipes de jogadores lutam para ficar em último lugar, mas jogam a partida inteira dentro de carros.

O impulso para eSports e streaming é o que elevará Battle Royale além de apenas uma moda passageira.

A abordagem de longo prazo para o H1Z1 está na vida do jogo enquanto um esport competitivo. As parcerias recentemente anunciadas da Daybreak com o Facebook e a Caesars Entertainment têm tudo a ver com o avanço da sua Pro League, na qual jogadores de elite competem em torneios Battle Royale por prémios em dinheiro. Daybreak vê o futuro da Battle Royale como um esport de espectador, mas também como um jogo que quer que todos joguem.




“Todos os nossos parceiros abordam com muita seriedade sobre uma nova maneira de fazer eSports e trazê-lo para as massas”, disse Castoro. “O Facebook é uma oportunidade de mercado de massa, uma peça de mercado de massa. Caesars Entertainment é um mercado de massa. Las Vegas, o local, é o mercado de massa. E todas essas empresas estão investindo em grandes quantidades nesse tipo de conteúdo, e veem o H1Z1 e o Battle Royale como uma maneira de abrir um novo caminho para o e-sports ”.

Enquanto uma enxurrada de jogos de Battle Royale já parecem estar a aparecer, na verdade o impulso em direção aos eports e investimentos em streaming que elevarão o género além de apenas uma moda passageira. Os desenvolvedores já estão indo além de criar jogos divertidos para vários jogadores, mas também tentam aproveitar as personalidades das pessoas que participam deles.

É aí que Darveau vê a indústria dos jogos em geral, à medida que começa a entender sua grande comunidade de espetadores. Ele espera que ele se torne mais como o mundo dos esports, aproveitando os grandes e divertidos jogadores e dando a outros experiências melhores em assistir e interagir com eles.

“Há muito mais espectadores do que jogadores, e os streamers estão se tornando muito bons, estão se tornando muito carismáticos, assim como os esports (jogadores)”, disse ele. “Eu acho que a forma como a indústria evoluirá é na verdade a ideia de que cada jogador que cria uma experiência agradável e divertida deve ser percebido como alguém que tem valor e pode ser pago com o valor gerado pelas pessoas que apreciam o que ele faz. E eu acho que daqui a 10 anos a indústria será assim. ”

Fonte

Créditos Imagem 0  Créditos Imagem Fortnite Créditos Imagem PUBG   Créditos Imagem Radical Heights Créditos Imagem Call of Duty: Black ops 4 Créditos Imagem The Darwin Project Créditos Gif Fortnite Créditos Gif PUBG 

Créditos Imagem Destaque

0
(Lida 35 vezes, 1 visitas hoje)

Please rate this

1 2 3 4 5

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Ir para a barra de ferramentas